3/29/2016

Pode Ser Escondido Mesmo...

Fiquei horas olhando para o meu computador sem saber como começar esse post... Eu sempre acreditei que as primeiras linhas são determinantes para quem está lendo: ou você vai me dar 10min do seu tempo, ou vai procurar algo mais interessante para ler... A verdade é que eu não tinha muito para onde correr... Eu precisa escrever sobre isso... Inclusive as mensagens que recebi esse mês estavam meio para baixo... Acredito que tenha sido um sinal... Está na hora de falar da tal "tristezinha" que bate na vida da gente!



Primeiro, tire da sua cabeça que essa tristezinha é coisa da sua imaginação! Não, pessoa bonita, não é! Todos nós sentimos falta de casa. Umas pessoas mais, outras menos. Umas pessoas da comida, outras da família! É normal! Você verá que o programa de au pair é para os que sabem se adaptar e sabem tirar o melhor do que há no momento. E, ainda assim, você poderá sentir-se triste! Então: se quiser chorar, CHORE! 

Vale chorar antes do programa! Sabe todos os perrengues que você está passando e todas as decisões que você tem que tomar? Pois é! Só você sabe aonde aperta o sapato. Se o seu aperta no coração, procure alguém que te entenda, que possa te escutar e desabafe. Coloque todos os seus problemas na mesa, veja o que pode ser feito, o que tem remédio e o que não tem solução. Desabafe. Desabe. Você não é obrigado! Chore! São muitas mudanças e é normal sentir-se confuso, saturado... Ninguém vai te diminuir por isso! Algumas vezes, as coisas se misturam e se complicam: organizar o visto, pedir demissão, avisar aos amigos, se entender com o namorado, fechar/pagar contas... Acredite, sabemos como é a confusão do pré-embarque. Pode chorar as chateações, lamentar aquilo que não sair como você espera... 


Vale chorar durante o programa! Ouuuxiiii... gente, não é como se os EUA fossem nossos vizinhos de fronteira não! É longe "pragarai", é caro ir e voltar, tem toda a buro-*atchim*BOSTA*atchim*-cracia do visto e ficamos, muitas vezes, o ano inteiro sem ver nossos familiares/amigos queridos. Claaaaaaaro que você terá saudades! Chore se precisar! Algumas pessoas sofrem longe dos bichinhos de estimação, dos irmãos e, claro, dos namorados.... Gente, um ano passa voando, mas vai dar saudade sim! Eu chorei assim que cheguei na casa da family, depois do treinamento. Eu me lembro que eles foram me pegar looooonge de casa (umas 2h dirigindo), me levaram para almoçar pizza, voltaram conversando comigo no carro e, quando paramos na garagem de casa, eu já estava "me segurando" há um bom tempo...rsrsrsrs... Já tinha lágrimas nos olhos... eram muitas novidades e eu tinha tanto para perguntar, aprender... e eu nem entendia tudo que eles falavam... Eles levaram minha mala para o quarto, me ofereceram água, me apresentaram alguns vizinhos, que estavam na driveway nos esperando e me levaram até o meu quarto. Aí, me deixaram sozinha para descansar um pouco. Eu lembro de ter lido em algum blog que era correto e educado desfazer as malas no mesmo dia em que eu chegasse... então, eu fechei a porta do quarto e fui colocando todas as minhas roupas em cima da cama. Para cada peça que eu tirava da mala, uma lágrima caia... Chorei escondido uns 40min e esperei a minha cara melhorar para sair do quarto... [Sim, CHORAR ESCONDIDO é permitido! Alivia as emoções e acalma o coração!]

Vale chorar ao final do programa!!! Aí, então, que vale mesmo!! Eu ainda me emociono! Hahahaha se você tiver uma host family legal, kids apegadas, meninas feras na sua região..... claaaaaaro que quando o seu ano acabar e você tiver que voltar para o Brasil, você irá sofrer um bocado! Eu amei meus dois anos e quando tudo acabou, eu fiquei muito perdida. Parte de mim, se acostumou a morar nos EUA... Logo que eu voltei para o Brasil, eu ficava com medo de sair com qualquer coisa de valor na bolsa, eu tinha raiva do nosso sistema de transporte ser tão atrasado, de nossas estradas serem tão perigosas e eu tinha outro medo também... Um medo diferente... era o medo de ser esquecida: pela minha family, medo de que nunca mais falassem comigo... E medo de não me encaixar mais aqui no Brasil. Então, na minha primeira noite de volta, já em casa, eu chorei...



Então, uma coisa é certa: lágrimas vão rolar. Sabe o seu colchão, você sentirá a falta dele! Sabe os seus pais? Você verá só por Skype! Sabe o seu peludinho?? Vai te procurar pela casa toda e não vai entender que você partiu e que "volta já"... MAS É ISSO MESMO!! Você volta já!! Então, chora e SE ACALMA. Seca cada lágrima e segue em frente!! Força! Fé! Cabeça erguida! É um novo mundo... todos os dias você tomará decisões... pequenas decisões (espero essa kid parar de chorar por mais 5 min ou pego no colo e vou com ele chorando?) ou decisões enormes (ligo para o 911 ou levo eu mesma para o hospital?)! Decidirá entre opções fascinantes e criará memórias tão tocantes que só você as entenderá. Pois todas as fases da vida têm dessas lágrimas e só podemos aprender a caminhar com elas... :)

Levanta e vai criar memórias!!
Assim, uma das moças que me escreveu esse mês, está super-arrasada por não conseguir lidar sempre com essa tristeza. Eu respondi de maneira bem simples: todas as fases da nossa vida apresentam desafios, frustrações e algumas tristezas pelo caminho! Chore o que precisar e volte a caminhar! :) Minhas próximas linhas são a prova disso... Há três meses fui diagnosticada com RCU (uma doença inflamatória do aparelho digestivo)... Minha vida está em fase de adaptação... Em certos dias, eu choro! É um desconforto muito grande não saber se a comida que você comeu, te fará bem... Ou ver todos os seus amigos comendo pizza e você bebendo suco porque o restaurante não tem nada zero lactose... Eu sinto dores nas pernas, estou com falta de vitaminas e, algumas vezes, não tenho forças nem para sair da cama... MAS EU ME LEVANTO... Me arrasto até o banheiro, choro um monte, me seco, me visto, tomo meu café e vou dar as minhas aulas. Choro no colo do boy ou da mãe quando me sinto fraca, vejo meu cabelo cair, meu rosto ficar com feridinhas ou fico sem ar (coisas da medicação)... Mas eu lembro que eu ainda tenho muito pela frente. Essa doença não pode me definir. Eu choro e sigo! E, embora essa doença não tenha cura, estou aprendendo a caminhar com ela um dia de cada vez... 

Crises e dificuldades: aqui, óh!
PS: moça que me escreveu e que mora em Brasília!! Eu já te respondi há semanas!! Cadê você?? Vamos conversar!!!

PS 2: Se você conhece alguém com DII (doença inflamatória intestinal), seja solidário. Existem vários níveis da doença. E os portadores têm dias bons e ruins... Fique de olho. Se você tem DII e vai ser au pair, dica-pra-vida, leve na sua mala algumas coisas que você já esteja acostumada a comer e leve a sua medicação para caso você tenha alguma crise. ;)

PS3: Se quiserem saber mais da minha (ex) vida da Au Poor, procurem aqui no blog! Ainda tenho todos os posts... e há várias fotos também. :) E JÁ SABEM: NÃO VIAJEM COM DÚVIDAS!! SE QUISER conversar, desabafar, ouvir uma opinião: aupairtarci@gmail.com     ... não existem dúvidas bobas! Pode escrever o que estiver precisando.... :)

Mil beijos! :) 
Tarciana- Amiga do Tio Sam