11/30/2012

Em Resposta à Babaquice!!

Babaca (do dic. Online de Língua Portuguêsa): adj. e s.m +f (de boboca): tolo, bobo, bobóca. 
Babaquice: sb.f. (babaca+ice): 1) qualidade de babaca 2) Ação ou dito de babaca. 

Então, partindo desse princípio temos: coisa de pessoa boba, tola.  E é assim mesmo que vou classificar a atitude dessas 17 meninas babacas do grupo fantasma AU PAIR VENENO. Afinal, criar um grupo que faz críticas POUCO construtivas e que desrespeita a tolerância, não é muito maduro. Sim, foi isso mesmo que aconteceu. Algumas meninas babacas se reuniram para "falar mal da vida alheia" e do programa, em um grupo fechado, dando print em dúvidas sobre o programa e criticando as meninas que queriam respostas. Só esqueceram que elas já tiveram essas mesmas dúvidas e/ ou passaram por situações bem parecidas. Como se não bastasse postar as dúvidas alheias e brincar de criticar, acabaram, também, criando uma "Black List" (nome suuuuper criativo, hein? Parabéns, meninas!) e enumerando as au pairs que gostam de participar e ajudar lá no FB em um ranking super carinhoso. E eu estou nele! Uhúúú! Yeah!  

Foi esse print que gerou tudo isso... 
Surpresa MARAVILHOSA, lá estou eu, em 23o lugar no ranking. [Ahhh qual, é?! Eu merecia uma posição melhor... Eu me dedico, respondo emails até às 2am e nunca deixo ninguém sem resposta (não importa a pergunta). Defendo o programa com todo o coração, trato as meninas por "lindas" e "flores"- e não é ironia- e estou absolutamente de bom humor sempre.]    A minha primeira reação foi a ALEGRIA. Querem saber porquê?

1- Pensei: uhúl... publicadade free. Né? Oi? Vocês arrazzaram quando divulgaram ai meus serviços para mim e AINDA JUSTIFICARAM BOAS RAZÕES PARA QUE AS MENINAS ME PROCURAREM: para evitarem cair nas mãos de babacas como vocês, que pegarão as dúvidas e usarão dessa maneira ai: dando print e publicando os tais "equívocos" em redes sociais. Coisa que profissional como eu não faz. Quando recebo um pedido de ajuda, respondo da melhor maneira que posso. NÃO COBRO PARA RESPONDER PERGUNTAS ISOLADAS SOBRE O PROGRAMA ou para dar conselhos. Porém, meu serviço de consultoria PAGO cobre muitas outras coisas e faço com todo carinho. É meu trabalho, minha formação acadêmica. Sou formada em Letras e gosto de revisar textos e/ou traduzi-los. Meninas que mandam e-mails gigantes desabafando, recebem respostas e têm a minha assistência e respeito. É uma boa opção para futuras au pairs que querem ser tratadas bem, com segurança, por alguém que tem experiência e que é super conhecida no meio auperiano!! Assim, MUITO OBRIGADA POR JUSTIFICAREM A RAZÃO DE MEUS SERVIÇOS, suas fofas! Eu sei que vocês queriam ter pensado nesse trabalho antes, mas, DESCULPEM, cheguei primeiro e sou muito boa no que faço. 

2- Pensei: estou POPULAR. Umas 17 meninas me conhecem e eu não as conheço. Não sei quem são. Como falar diretamente com cada uma delas, se não as conheço? Ahhh.. espera!! Espera... elas também não se conhecem ou não teriam tomado "esse tiro no pé". Não me importa se alguém "inflitrado" no grupo deixou vazar tudo, ou se era uma das 17. Who cares? Fica a dica para vocês do APV. Vaii.. sai confiando em qualquer au pair. Rsrsrs

3- Pensei: MATURIDADE, onde estás?? Isso explica o alto número de meninas "tristes", "revoltadas", "chatiadas" e de "mimimimi" com o programa: tá faltando maturidade. Oi? Meninas que ainda não cresceram, não deixaram de ser babies, cuidando de outras crianças, só podia sair essa meleca, né? O programa de au pair não é todo cor-de-rosa não, viu?! É a maneira que você o encara que te faz mais MADURO... em todos os sentidos. Você terá que tomar "sapo" dos hosts, ouvir kids chorando e cuidar de certos afazeres de uma casa... mas vai por mim, se você tentar ver tudo com bons olhos, sairá do programa FORTE e EXPERIÊNTE. Depois disso, qualquer desafio será fichinha para você... Assim, óh, não quero saber se quem fez isso era patricinha ou era "lutadora"! Para mim, quem fez isso não tinha CARÁTER, pois isso vem de berço. Buscando no dicionário: conjunto de características que descreve uma pessoa. Ah! Ok! Assim, a definição não menciona em que esfera social a pessoa precisa estar para ter um bom carater, se tem que ser rica ou pobre, né? Então, vou concluir: elas têm que ter familia e educação. E podem definir familia da melhor maneira que conheço: ampla e diversamente.

4- Pensei: PREGUIÇA. Se as respondo, pago com a mesma moeda tudo que fizeram, né? Estaria também dando publicidade as coitadas... Criticando, falando mal... Dai pensei, elas têm o direito à liberdade de expressão. Elas PODEM criar um grupo para falar da vida de quem quiser, invejar o que quiserem e podem tentar ser como as meninas que invejam! Sim, podem! 

Por isso respondo em moeda diferente. Não as mandarei "à Lerda, cidade das babacas" ou gritarei: "Ei, babacas, vão tomar shampoo"... nãoo... não mesmo! A "crítica" que elas fazem aquelas "perguntas bobas" ou aquelas "meninas santas, legais" é construída em cima de medo, raiva e recalque. Medo por jamais conseguirem dizer diretamente o que pensam; raiva porque as meninas que elas colocaram na Black List podem ser bem superiores a elas do APV; e recalque porque elas adorariam ter/ser como as meninas que criticam. Certeza. ASSIM, a minha crítica será escrita em cima de bons argumentos e de agradecimento. Obrigada pela publicidade free e saibam que de mim, e só quem é como eu sabe, sempre há desejo de PAZ e de que "vocês sejam felizes". Porque quem conhece o Amor, não proclama outro sentimento. Se para vocês é tão legal criticar os outros assim, para mim não é. Eu não faço. Então, essas linhas são bem simples e diretas, nada hipócritas ou rancorosas. Aqui expresso a minha mais pura verdade: na cara de vocês. Em um blog aberto. 

"... Pra aqueles que sobem na vida e mantêm os pés no chão
O vento sacode, balança, mas não te derruba não...

...Quem conhece o bem
Não cultiva no peito o mal
Não se faça refém
Suba na vida mais um degrau..." ( Parangolé )

E retomando o que disse, por que/ para quê enfrentar a preguiça, para responder esse tipo de babaquice?? Bom, por uma simples razão: sermos fortaleza. Esse tipo de atitude será SEMPRE comum na vida de quem gosta de fazer a diferença, o bem. De quem gosta de tomar uma posição na vida... seja ajudar, seja seguir regras.. Na vida dessas pessoas sempre aparecerão babacas querendo criticar de maneira incorreta aquilo que não conhecem. E somos nós, ESSAS PESSOAS DIFERENTES, que precisamos levantar e dizer "isso não é legal. Não é educado e não é certo". E tendo dito isso, nos viramos umas para as outras e dizemos: seja forte! Amanhã pode ser você na Black List de alguém. Sendo criticada por uma de suas qualidades fortes, que elas, lógico, verão como defeito horrível. Ou pode, ainda, ser criticada injustamente também. Por isso escrevo: sou super "colorida" e "positiva". Fiquei mega feliz com a publicidade free. Mas essa sou eu! Para as meninas que se sentiram ofendidas/com raiva (e duvido que tenham sido muitas): cabeça erguida. Babacas se merecem... Levantem as mãos e digam AMÉM por serem diferentes. E sigam cuidando da vida de vocês, afinal na vida delas ninguém tem interesse... nem elas...

Concordam?

PS: São quase 2am, sábado, e sairam mais dois bafões lá no grupo.. outro grupo em que rolam fofocas e uma carta aberta ao grupo au pair que me deu muita preguiça de ler!! hahaha... Ambos! Pelo que vi, POR CIMA, não fui citada. Hahaha... mas nem é por isso que não respondo os outros dois bafões, é pela última parte do que escrevi ali... Amanhã pode ser você na Black List de alguém, pois existem muitas... Cabe a vocês decidirem se serão fortaleza ou "fagulha" para piorarem uma situação... #Só acho. 

11/16/2012

Um pouco de Latim e Mentiras

Oi, lind@s! Eu sei, eu sei... deixei de passar aqui 2 semanas, né? Mais? rsrsrs Me perdoem. As aulas na UnB voltaram e, graças à greve, não teremos mais férias até março. Para quem não sabe, eu faço Letras-inglês e acabei de me formar em Letras-Português do Brasil como Segunda Língua. Isso mesmo. O único curso do Brasil que forma professores de português para estrangeiros. Se souberem de alguém querendo aulas... rs Então, os dias têm me atropelado e as semanas passado voando. Com inúmeras atividades da UnB para dar conta + meus 9 alunos particulares + a escola + a vida pessoal e as necessidades de ser mulher (oi? Fiquei quase duas semanas sem fazer as unhas. Lixava aqui só para dar uma disfarçada... ninguém merece, né? rs). Para terem uma noção, alguém consegue traduzir isso aqui? [ganha um prêmio quem conseguir. hahaha.. Leio a carta para a host family e dou dicas!! hahaha...]

"- Aquila uolat alte. Rana aquilam notat et maesta coaxat quia alas ualde desiderat.
  Musca spectat ranam aquilaque etiam. Stulta rana muscam non spectat, solum aquilae alas. Musca auolat. Callida aquila ranam surã captat. 
   "Stulta rana", musca ait, "alas desideras sed uitam pessundas. Aquila non captat muscas... sed ranas."   

---> Super vale para a vida de au pair! E sim, o Latim tem me mantido muito ocupada! =D Como a página que temos no Facebook é fácil de acessar do cel, estou mais por lá. Porém, sempre entro aqui e vejo se vocês me deixaram algum comentário/recado. Aqui estão as respostas... rs... pois ninguém deixou e-mail para retorno... rs

Camila Barros: pois é, menina! Escrevi aquele post sobre diferenças culturais porque estava cansada de ler que "os EUA isso", "os americanos aquilo", sabe? Poxa, é um intercâmbio.. intercâmbio... o nome já diz tudo. E, amiga, gostei do que você queria saber sobre perguntar no primeiro contato e a verdade é que não há uma lei, sabe? O que perguntar ou não. Mas acredito que você saberá pelo tom da conversa. :) Se se sentir confortável, pergunta logo. Boa sorte ai!

Jeff: ôôô, que fera!! Toda sorte e parabéns por ter escrito sobre o diferencial com música. Achei super válido. 

Amanda: Claro, mulher! Sou psicóloga, manicure, BFF.. recebo altos e-mails no meio da madrugada com desabafos! E respondo tod@as na medida do possível... :) Pensa ai e me avisa!
Como tod@as sabem, minhas histórias de au pair são de 2006 e de 2007, mas elas não poderiam ser mais atuais. O tema de hoje MENTIRAS/ FALSIDADE tirei de um post que vi lá no grupo de au pair do Face. Vejam só: 6 anos depois... e a mesma coisa acontece. Explico: uma menina postou que "achou que tinha" uma amiga e contou um monte de coisas para ela. Especialmente porque havia ido para os EUA. Essa "amiga" foi e espalhou a história para uma 3 au pair. Pois bem, povo, desde que o mundo é mundo e o sol tá lá em cima, que devemos ter cuidado com as pessoas. 

Vocês verão que o programa de au pair nos deixa com o sentimento de "somos tod@as amigos" assim que chegamos nos EUA e encontramos um@ brasileir@. Pois temos muito em comum: nossa língua, país, trabalho... E saímos fazendo amizade com todo mundo que encontramos pela frente, brazuca ou não. Chamamos de amigo e logo convidamos para irem à casa dos hosts e ao nosso quarto, nosso lugar bem íntimo. Essa pessoa logo passa a ser "nossa confidente" e a saber demais da nossa vida. Trocamos mensagens como se estivéssemos no Brasil. E isso é perigoso. Não estou dizendo que todas as pessoas são perigosas, só estou dizendo que devemos ter cuidado. Ir devagar. Eu também quebrei a cara e conto para vocês.

Mas vamos dar um salto de quase 10 meses entre setembro de 2006 e agosto de 2007. Entre essa história e a anterior. Essa acontece quase 10 meses depois. Vamos lá...

Agora já não estou mais em NJ, estou na CA e tenho um pequeno grupo de amigos. Certo dia, eu estava no mercado e, na fila do caixa, conheci uma garota brazuca gente-boa que morava lá há 4 anos. E ela me convidou para sair e chamou as outras meninas. Saímos UMA vez. Na segunda vez, chamei todas para irem à minha casa e chamei meu pequeno grupo de 4 amigos- dois meninos da Alemanha e a BFF brazuca- e bom, imaginem ai o alvoroço, ferveção, terror e pânico de 2 homens no meio de um bando de mulher. Imagina. Imagina também que um deles estava "de paquera comigo". Ele era a minha sombra, estávamos sempre juntos. E imagina que uma das meninas já foi logo perguntando se havia algo entre nós... e eu, toda tímida, respondia "não, não... somos só amigos". Sei lá, né? Segunda vez que via a guria e ela queria saber da minha vida pessoal... fiquei na boa, calada. Todo mundo foi embora lá de casa (eram umas 15 pessoas no total) e eu fui dormir. Uns dois dias depois, eu fiquei gripada e não pude sair com todo mundo novamente. Lóóógico que a guria, vamos chamá-la de Y, aproveitou para ficar "super amiga" do meu paquera. Nesse meio tempo, a minha BFF que fazia parte dos meus 4 amigos inicialmente, falou para a Y se afastar. Falou para a Y que havia mais que amizade, só que eu era tímida e não "sabia". Essa BFF, ainda é BFF até hoje, me defendeu muito sem eu saber. Mas e dai, né? Quando alguém quer alguma coisa, muitas vezes atropela quem está à frente. E foi isso que a Y fez. Se aproximou dele quando eu não estava lá. Pegou o tel dele dizendo que precisava de amigos. E falou para ele, uma semana depois, que eu estava "de boa" com a ideia deles saindo sozinhos para jantar. Oi? Eu nem sabia de nada. E ele foi, coitado. Sem entender porque eu faria isso com ele. Depois disso, foi tudo pelo ralo. Eu me lembro de me afastar de todos, decepcionada e com raiva. Sem entender nada. Só soube que a Y falou que eu havia dado "permissão" para a saída deles, semanas depois, quando a BFF conversou com ele sozinha e perguntou o que estava acontecendo. E ele respondeu que a Y disse que eu havia dito que não sentia nada por ele, que éramos só amigos. [bom, não era mentira. Foi isso mesmo que eu disse, que era amizade. Mas a BFF disse a verdade para a Y e a verdade deveria ter sido suficiente para ela se afastar.] Ele disse que não sabia mesmo do que estava acontecendo. Se sentiu mal.. pediu desculpas... mas ai já era tarde. Eu já tinha me afastado. 

Sabe o que foi pior nisso tudo? Não foi eles terem saído. Não foi ter dado certo para eles. Foi ela ter agido pelas minhas costas o tempo todo. Me leva a pensar o quão más as pessoas podem ser, mesmo que na cabeça delas não pareça. Ruim também é não saber de tudo que "se passa" nas nossas costas e você não ter a chance de stand up for yourself e se defender. De dizer o que pensa. E de falar "ei, essa não sou eu! Vocês me pintaram assim", mas esse direito nos é negado e calamos. Em várias e diversas situações na vida. Acho que a maior lição que aprendi foi: bons amigos irão te perguntar se é verdade isso ou aquilo. E, em caso de dúvida, vão te defender para só depois lavar a roupa suja com você. E, por favor, em caso de dúvida, quebre o vidro e grite. Hahaha... brinks! Fale logo tudo que pense. Defenda-se. Melhor se arrepender do dito do que do não dito, sabe? Depois, a gente se acalma e pede desculpas, se foi muito "pesado". Mas abaixar a cabeça é coisa que não faço mais. Respondam por vocês, ainda mais lá fora. E se protejam. Não levem a pessoa para a casa de vocês de cara. Esperem. Vejam como ela é. Conversem sobre temas polêmicos também. Vejam como ela reage. E só então chamem de amigos. Acho que por hoje é isso... depois continuo com o outro post: como foi a ida ao parque com os meninos. :)

Exemplo do que é amizade, meus fofinhos. hahahaha

Beijos e mais beijos [Wellen (que tá com o papai doente. Melhoras aí!), Jéssica (que acabou de chegar na casa da HF), Pati, Nayara, Cib, Carols, Lay, Lya, Annanda, Cláudia Leu, Inara, Carina, Cris, Dai, Camila Reis, Jeff, Amanda, Júlia, Bruna, Kamyla, Camila, Marthinha, Carla, Valéria... esqueci alguém? rsrsrs... eu sei, eu sei... São muitas menin@s! Me perdoem... rsrsrsrs e obrigada pela participação na página...] 

11/04/2012

A cont. do 1st Night Out + confusões

Pois é, meninas! Falo mesmo que tenho andado com muito trabalho, muito mesmo... mas que o pior foi ter "ficado adoentada" uns dias. Putz, todos os meus blogs e páginas ficaram atrasados. Sorry! 

Assim, volto logo revolucionando... Volto para contar o que aconteceu depois daquela balada e que envolveu a maior troca de e-mails e negociações da história. Rsrsrsrs... Então, todo mundo leu o outro post, né? A galera me deixou em casa, o M. não voltou e o C. fez cara de "putz! Logo com ele?"... então eu entrei e óbvio, fui dormir. No outro dia, havia um email do M. para mim. Ele dizia que toda aquela galera estava marcando um cinema e perguntou se eu queria ir. Eu disse que dependeria do dia e horário, pois eu ainda não tinha o carro todos os dias. E ele foi arrumando um jeito "eu te busco", "a gente vai quando você tiver off" e tal. Dai eu topei e ele foi me buscar. Não lembro bem que dia, mas foi durante a semana e a host-sister já estava em casa. Ela me deu umas dicas na hora que eu estava me arrumando, disse que qualquer coisa eu poderia ligar para casa e subiu. Eu fui lá para fora e fiquei esperando. Ele chegou bem na hora marcada, SOZINHO. A tonta aqui faz a primeira pergunta:"Where is everybody?". [hahahaha risos fortes lembrando da minha cara de pânico...] Ai ele me responde:"They canceled." Eu:"All of them?". Ele:"yeah". Hahahaha minha cara de pastel. Como faz? Vai, né?! Fui!! Chegamos no cinema e foi estranho. Eu nunca me sinto à vontade com essas coisas armadas, pressionadas. Eu sou tímida para caramba e comigo é melhor se chegar devagar (no início). Mostrar-se amigo e não forçar uma situação em que EU SÓ QUERIA CORRER!! Entramos, sentamos e o filme começou. Que droga de filme! Robin Williams me deu sono 72X. Tinha gente dormindo no cinema. Sérião! E eu já não estava mais tão preocupada com a pressão, pois "meu amigo" ali não fazia absolutamente nada. Não chegava mais perto, não segurava na minha mão, nada! Eu pensei UFA, né? Não, ele não era feio, não. De jeito nenhum. Eu só não estava confortável com a situação. Segurar a pipoca foi o mais engraçado... hahaha.. quando a minha mão estava no pote, a dele não estava e assim ia. O filme acabou e ele me levou de volta. E eu pensando "no Brasil, isso seria 99% derrota, né?". Sei lá... cinema é ruim para tentar conhecer alguém pela primeira vez. Ninguém pode falar e só sobra o caminho de casa para que poucas palavras sejam trocadas. No nosso caso quase nenhuma. Ele só me falava o quanto havia crescido e saído com todas as meninas da minha rua [oi? como assim, produção?! Ele tá pagando de Brad Pitt... hahaha]  E como nenhuma delas tinha escapado. "Massa, hein?!, pensei!" Ok. Cheguei em casa, me despedi e ele disse que mandaria um e-mail. No outro dia, havia sim, um email. Mas não era dele. Era do irmão, o C. E eu li toda pensando "que fera. Ele deve pedir desculpas por não ter ido ontem e tal". Só que não. O e-mail dele também era um convite para irmos a um parque lá perto. Fiquei sem saber o que responder. Mas disse "ok. Vamos, né?". Só que tudo que aconteceu lá é para outro post. Ou esse vai ficar gigante, pois essa história aqui acontece entre July & Oct./06. Volto aqui essa semana e continuo a novela mexicana aqui. Minha dica: se você não se sente confortável, como eu não me senti, corra para as colinas nessa situação. Leva alguém. Ahhhh é. Eu aprendi tão bem que combinei com uma amiga que em situações futuras eu ligaria para ela e ela para mim e iríamos nos ajudar. Sim, sempre deixe uma amiga sabendo onde e com quem você está e, caso você precise, ela te ajude. Eu tive sorte. E se fosse um "doidinho"??


Você, menina, será mais esperta do que eu!!

Uma oração bem forte para todas as meninas que estão nas regiões atingidas pela Sandy: Martinha, Dani, Leo... e para as minhas famílias e amigos que moram lá. Que vocês consigam sair dessa bem rápido e que Deus dê forças para superar os próximos dias.

E para as meninas que passam aqui [Wellen, AnaS, CarolS, Kamyla, CamilaS, Celis, Lais, JéssicaS, Stéphani, Cláudia, Manu, Line, Rox, Aline, Bruna, Dai, Valéria, Júlia, Bru e todas as outras] e que tem participado sempre lá na página interativa do FB. Estou adorando poder conversar mais um vocês. Um beijo e muito obrigada! ;)