12/25/2012

O primeiro Natal em Terras Alheias

Bom, primeiro, feliz Natal, pessoal! :) Eu desejo um Natal de Luz, Paz, Amor e muitas alegrias para todos vocês....

Hoje, aproveitando a data, vou contar como foi o meu primeiro Natal em solo americano. Lembro como se fosse ontem... minha cara de SUSTO quando precisei trabalhar dia 24/12. Hahahaha. Levantei com o baby kid na minha porta, pedindo suco. Lindamente pensei: é Natal. Feriado. Só que não. hahaha Tá minha host apressada bem atrás dele (sim, eu trabalhava de pijama mesmo) com pasta e papel na mão, já se despedindo de mim. Eu falei: Feliz Natal, e ela disse: Natal é amanhã. E eu: O.o Oi? Como assim? "No Brasil, a gente faz um jantar na noite do dia 24 e tal..." e fui explicando... Lá na casa do 1 ano, eu fiquei muito tempo sem ter schedule fixo. Era mais ou menos assim, os hosts precisavam, me avisavam na noite anterior e a gente se organizava. Como eu morava no meio do nada com o lugar nenhum, tava tudo FINE. Eu nem ligava. Dai, no dia 24, eu assustei. Achei que não fosse trabalhar. A host vai e explica que todos eles iam. Mas que ela ia voltar mais cedo e, se eu quisesse, poderia sair. Continuou explicando como eram as celebrações dia 25 e caiu fora pela porta branquinha de neve da cozinha. Eu peguei o baby calmamente, entreguei a mamadeira com suco, liguei a tv e deixei ele vendo Dora. Dai, fui trocar de roupa, escovar os dentes e tomar café também. 

Nesse meio tempo, a ficha foi caindo. Caindo nada, escorregando mesmo. Na dureza. Então, não haveria festa/jantar/comemorações dia 24? How sad! Me senti enganada. Traida. Mas eu estava na cultura deles e haveria de encarar tudo na boa. Sem cara feia. Sem dor de barriga. Mas não poderia deixar isso acontecer, sem mostrar como era o Natal para a gente também. Fiz um macarrão de noite. Disse que íamos comer juntos, pois já era Natal no Brasil e eles toparam. A host fez um prato com frango também e eu falei que no Brasil, a minha familia já estaria celebrando. Depois, eu cai fora para o mall. Ainda fui comprar umas lembrancinhas que estavam faltando. Voltei, me tranquei no quarto e empacotei tudinho. :D 

Na manhã seguinte, acordei com a kid#2 batendo na minha porta e me chamando, pois Santa tinha deixado presentes para mim também. Fui mega tímida para a sala, que estava COBERTA de pacotes. Era muita coisa mesmo. [tem foto no fotolog. Link ao lado] Abri o que a kid me entregou: meias. Depois, o kid#1 me passou mais outro embrulho, lá do outro lado da sala: um dvd. Todos os presentes com nossos nomes e cartões do Santa. Eu falei para a host que tinha coisas para as kids também e ela disse para eu entregar na hora do almoço, pois de manhã seriam apenas os presentes do Santa. Ok, pensei. Bem na hora que minha Kid#3 me atira mais um pacote: pijamas. Hahahaha Meus favoritos. Coleciono até hoje. E a manhã seguiu. Por muitos minutos assim: em meio aos papéis rasgados e à muita festa com brinquedos e roupas novas. Ou contrário do que é para a gente, lá eles ganham muitos presentes simbólicos junto com o que pediram ao Papai Noel: pipoca, dvds, adesivos, bloquinhos de papel etc. coisinhas da DollarStore (onde tudo é U$1).

Na hora do almoço, fomos para a casa da Gradma (vovó). Era só atravessar a rua. Eu já estava pronta, mas enrolei um pouco e esperei eles sairem primeiro. Juntei todas as coisas que eu tinha comprado em uma sacola e fui logo atrás. Comprei, ao todo, 13 presentinhos. Comprei pros tios, avós, primos etc. Sim, foi todo o meu salário. Mas eu nunca me arrependo de arrancar um sorriso. Rsrsrs.. E, por favor, né? É um ano apenas. Melhor participar de tudo. Atravessei a rua, todos já haviam entrado, entrei e fui para a sala também. Coloquei a minha sacola no chão. A vovó começou a distribuir "o almoço" (eram umas 4pm. Já era jantar+almoço juntos..rs) e eu me servi de purê de batatas, peru, molho do peru, salada e eggnog. Minha primeira vez tomando essa bebida e todo mundo olhando para a minha cara. Hahahahaha dai começou a chuva, melhor: TEMPESTADE, de perguntas: "Tarci, como é o Natal no Brasil?", "Como vocês têm um Natal sem neve?"... rs.. Essa foi a mais legal. Lembro até hoje da vovó falando: "o Natal deles que é certo. Baby Jesus nasceu no deserto."hahahaha Perguntaram o que a gente tinha para o jantar e muito mais. 



Dai, na hora da sobremesa, a vovó nos chamou para a sala de jantar e começou a entregar os presentes. Chamou todos nós, um por vez, para buscar um cobertor que ela bordou especialmente para a gente. O meu é roxo, tem o Mickey e o ano que eu morei com eles bordado no canto direito. Tenho até hoje. Fica ao lado do sofá aqui de casa. Quando todo mundo trocou presentes, eu falei bem tímida:"I just want to thank you all for being so nice to me" e fui entregando as lembrancinhas. Não esqueci de ninguém. E fiquei tímida que nem uma-coisa-muito-tímida. Hahhahaha. Inventei que a minha mãe ia ligar e voltei para casa. Esperei, esperei, tomei ar e vi que seria inútil ficar ali. Afinal, quantos minutos iam durar essa ligação? Atravessei a rua novamente e voltei para a casa da vó. Algumas pessoas tinham ido embora e os mais novos já tinham "capotado" no sofá. Deitei no chão da sala e coloquei um filme no dvd. Ninguém percebeu que eu tinha ido, voltado e estava deitada lá até que uma das kids me pediu suco. A hosta falou que eu estava off e eu disse que não tinha nenhum problema. A kid não pede suco achando que você é uma escrava ou empregada dele. Ela pede suco porque sabe que você é a pessoa que a ajuda em caso de necessidade. Como não sou fresca e sou pau para toda obra, levantei, peguei o suco para nós duas e deitei com ela no tapete de novo. Ainda fiz pipoca. Kid apagou rapidinho. Os host foram voltando para casa e eu fiquei lá... largada no chão. Vi uns três filmes, peguei minhas coisas e fui para casa. Encontrei mais presentes em minha cama: um edredon da Hello Kitty (que me deu alergia e foi devolvido), um som (que eu colei váááários adesivos nele) e raspadinhas da loteria (em que eu ganhei 15 dólares). Agradeci por tudo e fui dormir. Fui dormir pensando que havia sobrevivido ao primeiro Natal em Terras Alheias. Que havia trabalhando dia 24, ajudando durante a festa do dia 25 e de que tudo havia valido a pena. Afinal, eu estava vivendo o American Way of Life e não tinha sido fácil chegar até lá. Bom, melhor era aproveitar tudo mesmo do meu jeito sem frescuras e mimimimis. 

E vocês, como passaram o Natal? No Brasil? Nos EUA? Na Europa?
Beijosssss e I hope you have a wonderful Christmas, as merry as it can be. Deixei recado de FelixNatal na página do Amiga do Tio Sam no Face também. Assim: beijos em dobro. =)
Xoxo.

12/10/2012

O pós-barraco

Oi, menin@s! Tudo bem? Então... já tem quase uma semana daquela história tão maluca que balançou o mundo auperiano aqui na internet. Vocês lembram, não é? Estou falando das meninas que tinham um grupo e que faziam certos comentários quando viam perguntas de outras au pairs. [se você não ficou sabendo do "barraco", pule esse post, caro leitor! Pois tu vai ficar mais perdido que cebola em salada de frutas! rs...] Então, depois que eu publiquei o post anterior aqui e na página do FB, algumas meninas vieram conversar comigo. Umas me escreveram "cheias de razão", dizendo que estavam certas sim e que eu era tudo aquilo que elas disseram e muito mais. Porém, a gente tem é que dar valor ao que é bom e honesto nessa vida. Assim: nem liguei para elas. Mas liguei para DUAS, das 17 meninas, que me escreveram e me explicaram o que realmente tinha acontecido.

Nota para o leitor: se você vai ler esse post com todo esse preconceito estampado ai na sua cara de incrédulo, por favor, não continue a ler. Vá até o banheiro mais próximo e mande esses pensamentos de "ahh, elas só fizeram isso porque a barra ficou suja para o lado delas" ou "elas são hipócritas" descarga abaixo. Sim, meninas! Por favor, é no banheiro que vocês devem deixar esse tipo de pensamento se forem ler isso aqui. Principalmente, porque eu tento fazer o que eu prego. E eu acho SIM que as pessoas podem mudar, podem se arrepender, podem pedir desculpas e podem ganhar mais uma chance. Uma chance para se explicarem. Afinal, todos erramos!  Então vamos aos fatos...
.
.
.
.

A primeira que falou comigo foi a Walquiria... Ela me disse que o que havia feito comigo tinha sido uma brincadeira sem noção. Que ela realmente sentia muito. Nós conversamos todos esses dias via inbox. Não apenas sobre o que tinha acontecido, mas sobre a vida de au pair e a vida aqui no Brasil. Em nenhum momento ela me pediu para apagar o post. Em nenhum momento, ela me ameaçou. Ela só veio com calma, pediu 2min para se explicar e eu dei. E não me arrependi. Ela realmente falou de coração que quando estava no Brasil e TINHA tempo para a net (coisa que pouca au pair tem), ela entrou naquele grupo e fez/falou coisas que não deveria. Que se arrependia e que, se pudesse, mandava um "I am sorry" para a geral. "Como todas vocês sabem - ou deveriam saber -, a experiência auperiana é uma montanha russa de emoções e uma puta duma metamorfose. Todas nós viemos para cá com uma cabeça, e mudamos milhares de vezes - para melhor - durante o tempo que passamos aqui. Vou aproveitar esse espaço para pedir perdão, pela minha imaturidade. Sobre algumas garotas, minha opinião mudou completamente. Sobre outras, continua a mesma, e quero mais é que explodam na bolha delas [trecho do post que ela fez no blog das 30 au pairs]" Ela me pareceu realmente chatiada com tudo isso e bem sincera... E me explicou ainda que esse meu jeito "brincalhão" e "uhúl, flores, lhyndas, phynas" deixa algumas meninas sem saco para ler o que eu escrevo e tal. Ela me parabenizou pelo ano que tive e continuamos conversando. Se ela foi uma das meninas que ofendeu você, tente conversar com ela para saber os motivos. Nesse caso, no meu caso, não havia motivo. "Ah, vamos lá. É só uma brincadeira" e foi mais ou menos assim. E eu também acreditei porque ela não me conhecia e ficaria mesmo difícil falar qualquer coisa de mim, não é? E ela disse mais "A black list era uma brincadeira infantil. Como todas sabemos, a aupair que você chama de gorda hoje, pode ser aquela que vai te abrigar amanhã. Isso aí, foi uma espécie de retratação, pra quem não entendeu. Nós amadurecemos com o tempo (...)." Então, na boa? Toda sorte na nova fase, mulher... bola para frente... E pelo que já ouvi, demorou mas você chegou onde deveria ter estado sempre. =D Aproveita!! Muitão!! E não esquece das minhas fotos com plaquinhas... rsrsrs

A segunda que falou comigo foi a Camila Leme e nós começamos a conversa falando sobre o meu direito de resposta ao print. Ela foi bem compreensiva e direta."Eu odeio picuinha", ela me disse, e continuou:"E não sei o nome das meninas que zoei para mandar inbox e conversar com elas". Ela ainda falou o mesmo que a Walquiria. Disse que foi uma brincadeira e que agora ela seria madura para lidar com as consequências. E, claro, se pudesse, voltaria atrás. Ela disse que riu e que achou engraçado tudo, mas que estava ficando mal também com os comentários que estava lendo sobre ela. Ela também NÃO ME PEDIU para apagar o post. Ela só me pediu para colocar uma tarja preta no nome de TODAS nós. Eu disse que só seria possível fazer isso se o post fosse apagado. E ela disse que não entendia muito de internet e que, como a Walquiria, estava sem tempo para ficar online desde que chegou aos EUA. Eu também conversei com ela todos esses dias e descobri que ela é ninja. Ela consegue andar na esteira da academia e me mandar inbox ao mesmo tempo. HAHAHA... eu fico tonta até no carro se estou lendo ou escrevendo. Imagina na esteira. Hahahaha... Conversamos muito... sobre o Brasil, sobre a vida de au pair.... E ela também foi sensata e disse que "todas teriam que teriam que lidar com isso e com as consequências agora". 

E eu tive a certeza, depois desses dias, que eu estava conversando com duas meninas que tinham consciência do que haviam feito, mas que em nenhum momento poderiam ter pensado que a coisa acabaria de uma maneira tão ofensiva e tão ruim. E que se elas tivessem tido a chance, teriam falado na boa com qualquer uma das envolvidas. E caberia a cada uma das meninas ASSUMIR COM MATURIDADE a sua parte da culpa. E isso serve para mim também. Eu, como "figura pública", me exponho por meio de posts e comentários. Preciso ter mais cuidado. Ser menos, às vezes, é ser mais. Foi uma lição para todas nós. E a minha vontade e é o que farei assim que eu terminar de escrever esse post, é APAGAR aquele print da página. Por dois motivos:

1- Eu acredito que as pessoas podem se arrepender e que podem mudar. Quem ai não fez uma brincadeira ou comentário e acabou ofendendo alguém sem querer? Quem aqui nunca fez/disse uma bobagem e pensou:"putz, perdi a chance de ficar calado"?? Sabe, às vezes, nosso cérebro esquece de calcular as consequências que nossos atos e nossas palavras terão. É assim com todo mundo... E quando isso acontece e nós voltamos atrás, seria legal se todo mundo lembrasse que somos TODOS humanos e que HOUVESSE perdão. Ou, pelo menos, buscassem seguir em frente sem crucificar quem errou. 

2- Meu outro motivo para apagar aquele print da página é a energia. Se as pessoas estão indo lá APENAS pelo post, há algo errado. Aquela página é mantida para falar com cada uma de vocês, dar força, dar incentivo, postar as novidades e contar algumas verdades. Rsrsrs... Aquela energia negativa has got to go. 

Se alguma das envolvidas, de qualquer lado, leu esse post e quiser conversar comigo ou com as meninas, podem fazer lá pela página. A página é um espaço aberto para esclarecimentos também. E que fique BEM CLARO que nenhuma delas me pediu para sumir com o print! Mas fazendo isso, eu sei que as outras meninas sairão ilesas da história. E não me importa muito isso. Não quero que duas meninas que foram sinceras comigo, paguem por outras tantas que não souberam pedir desculpas. Aí, eu estaria sendo injusta. Eu também sei que se esse fosse um post ofensivo e cheio de baixaria, teria 500mil visualizações. Uma pena, pois não curto esse tipo de coisa... Prefiro que @s menin@s passem aqui para distraírem a ideia e saberem qual a boa mas vou fazer um pedido: spread the word about this chapter around because it is over, we hope!




Um beijo e muita sorte, gurias! Esse programa de au pair é uma loucuraaaaaaa... Não é?

11/30/2012

Em Resposta à Babaquice!!

Babaca (do dic. Online de Língua Portuguêsa): adj. e s.m +f (de boboca): tolo, bobo, bobóca. 
Babaquice: sb.f. (babaca+ice): 1) qualidade de babaca 2) Ação ou dito de babaca. 

Então, partindo desse princípio temos: coisa de pessoa boba, tola.  E é assim mesmo que vou classificar a atitude dessas 17 meninas babacas do grupo fantasma AU PAIR VENENO. Afinal, criar um grupo que faz críticas POUCO construtivas e que desrespeita a tolerância, não é muito maduro. Sim, foi isso mesmo que aconteceu. Algumas meninas babacas se reuniram para "falar mal da vida alheia" e do programa, em um grupo fechado, dando print em dúvidas sobre o programa e criticando as meninas que queriam respostas. Só esqueceram que elas já tiveram essas mesmas dúvidas e/ ou passaram por situações bem parecidas. Como se não bastasse postar as dúvidas alheias e brincar de criticar, acabaram, também, criando uma "Black List" (nome suuuuper criativo, hein? Parabéns, meninas!) e enumerando as au pairs que gostam de participar e ajudar lá no FB em um ranking super carinhoso. E eu estou nele! Uhúúú! Yeah!  

Foi esse print que gerou tudo isso... 
Surpresa MARAVILHOSA, lá estou eu, em 23o lugar no ranking. [Ahhh qual, é?! Eu merecia uma posição melhor... Eu me dedico, respondo emails até às 2am e nunca deixo ninguém sem resposta (não importa a pergunta). Defendo o programa com todo o coração, trato as meninas por "lindas" e "flores"- e não é ironia- e estou absolutamente de bom humor sempre.]    A minha primeira reação foi a ALEGRIA. Querem saber porquê?

1- Pensei: uhúl... publicadade free. Né? Oi? Vocês arrazzaram quando divulgaram ai meus serviços para mim e AINDA JUSTIFICARAM BOAS RAZÕES PARA QUE AS MENINAS ME PROCURAREM: para evitarem cair nas mãos de babacas como vocês, que pegarão as dúvidas e usarão dessa maneira ai: dando print e publicando os tais "equívocos" em redes sociais. Coisa que profissional como eu não faz. Quando recebo um pedido de ajuda, respondo da melhor maneira que posso. NÃO COBRO PARA RESPONDER PERGUNTAS ISOLADAS SOBRE O PROGRAMA ou para dar conselhos. Porém, meu serviço de consultoria PAGO cobre muitas outras coisas e faço com todo carinho. É meu trabalho, minha formação acadêmica. Sou formada em Letras e gosto de revisar textos e/ou traduzi-los. Meninas que mandam e-mails gigantes desabafando, recebem respostas e têm a minha assistência e respeito. É uma boa opção para futuras au pairs que querem ser tratadas bem, com segurança, por alguém que tem experiência e que é super conhecida no meio auperiano!! Assim, MUITO OBRIGADA POR JUSTIFICAREM A RAZÃO DE MEUS SERVIÇOS, suas fofas! Eu sei que vocês queriam ter pensado nesse trabalho antes, mas, DESCULPEM, cheguei primeiro e sou muito boa no que faço. 

2- Pensei: estou POPULAR. Umas 17 meninas me conhecem e eu não as conheço. Não sei quem são. Como falar diretamente com cada uma delas, se não as conheço? Ahhh.. espera!! Espera... elas também não se conhecem ou não teriam tomado "esse tiro no pé". Não me importa se alguém "inflitrado" no grupo deixou vazar tudo, ou se era uma das 17. Who cares? Fica a dica para vocês do APV. Vaii.. sai confiando em qualquer au pair. Rsrsrs

3- Pensei: MATURIDADE, onde estás?? Isso explica o alto número de meninas "tristes", "revoltadas", "chatiadas" e de "mimimimi" com o programa: tá faltando maturidade. Oi? Meninas que ainda não cresceram, não deixaram de ser babies, cuidando de outras crianças, só podia sair essa meleca, né? O programa de au pair não é todo cor-de-rosa não, viu?! É a maneira que você o encara que te faz mais MADURO... em todos os sentidos. Você terá que tomar "sapo" dos hosts, ouvir kids chorando e cuidar de certos afazeres de uma casa... mas vai por mim, se você tentar ver tudo com bons olhos, sairá do programa FORTE e EXPERIÊNTE. Depois disso, qualquer desafio será fichinha para você... Assim, óh, não quero saber se quem fez isso era patricinha ou era "lutadora"! Para mim, quem fez isso não tinha CARÁTER, pois isso vem de berço. Buscando no dicionário: conjunto de características que descreve uma pessoa. Ah! Ok! Assim, a definição não menciona em que esfera social a pessoa precisa estar para ter um bom carater, se tem que ser rica ou pobre, né? Então, vou concluir: elas têm que ter familia e educação. E podem definir familia da melhor maneira que conheço: ampla e diversamente.

4- Pensei: PREGUIÇA. Se as respondo, pago com a mesma moeda tudo que fizeram, né? Estaria também dando publicidade as coitadas... Criticando, falando mal... Dai pensei, elas têm o direito à liberdade de expressão. Elas PODEM criar um grupo para falar da vida de quem quiser, invejar o que quiserem e podem tentar ser como as meninas que invejam! Sim, podem! 

Por isso respondo em moeda diferente. Não as mandarei "à Lerda, cidade das babacas" ou gritarei: "Ei, babacas, vão tomar shampoo"... nãoo... não mesmo! A "crítica" que elas fazem aquelas "perguntas bobas" ou aquelas "meninas santas, legais" é construída em cima de medo, raiva e recalque. Medo por jamais conseguirem dizer diretamente o que pensam; raiva porque as meninas que elas colocaram na Black List podem ser bem superiores a elas do APV; e recalque porque elas adorariam ter/ser como as meninas que criticam. Certeza. ASSIM, a minha crítica será escrita em cima de bons argumentos e de agradecimento. Obrigada pela publicidade free e saibam que de mim, e só quem é como eu sabe, sempre há desejo de PAZ e de que "vocês sejam felizes". Porque quem conhece o Amor, não proclama outro sentimento. Se para vocês é tão legal criticar os outros assim, para mim não é. Eu não faço. Então, essas linhas são bem simples e diretas, nada hipócritas ou rancorosas. Aqui expresso a minha mais pura verdade: na cara de vocês. Em um blog aberto. 

"... Pra aqueles que sobem na vida e mantêm os pés no chão
O vento sacode, balança, mas não te derruba não...

...Quem conhece o bem
Não cultiva no peito o mal
Não se faça refém
Suba na vida mais um degrau..." ( Parangolé )

E retomando o que disse, por que/ para quê enfrentar a preguiça, para responder esse tipo de babaquice?? Bom, por uma simples razão: sermos fortaleza. Esse tipo de atitude será SEMPRE comum na vida de quem gosta de fazer a diferença, o bem. De quem gosta de tomar uma posição na vida... seja ajudar, seja seguir regras.. Na vida dessas pessoas sempre aparecerão babacas querendo criticar de maneira incorreta aquilo que não conhecem. E somos nós, ESSAS PESSOAS DIFERENTES, que precisamos levantar e dizer "isso não é legal. Não é educado e não é certo". E tendo dito isso, nos viramos umas para as outras e dizemos: seja forte! Amanhã pode ser você na Black List de alguém. Sendo criticada por uma de suas qualidades fortes, que elas, lógico, verão como defeito horrível. Ou pode, ainda, ser criticada injustamente também. Por isso escrevo: sou super "colorida" e "positiva". Fiquei mega feliz com a publicidade free. Mas essa sou eu! Para as meninas que se sentiram ofendidas/com raiva (e duvido que tenham sido muitas): cabeça erguida. Babacas se merecem... Levantem as mãos e digam AMÉM por serem diferentes. E sigam cuidando da vida de vocês, afinal na vida delas ninguém tem interesse... nem elas...

Concordam?

PS: São quase 2am, sábado, e sairam mais dois bafões lá no grupo.. outro grupo em que rolam fofocas e uma carta aberta ao grupo au pair que me deu muita preguiça de ler!! hahaha... Ambos! Pelo que vi, POR CIMA, não fui citada. Hahaha... mas nem é por isso que não respondo os outros dois bafões, é pela última parte do que escrevi ali... Amanhã pode ser você na Black List de alguém, pois existem muitas... Cabe a vocês decidirem se serão fortaleza ou "fagulha" para piorarem uma situação... #Só acho. 

11/16/2012

Um pouco de Latim e Mentiras

Oi, lind@s! Eu sei, eu sei... deixei de passar aqui 2 semanas, né? Mais? rsrsrs Me perdoem. As aulas na UnB voltaram e, graças à greve, não teremos mais férias até março. Para quem não sabe, eu faço Letras-inglês e acabei de me formar em Letras-Português do Brasil como Segunda Língua. Isso mesmo. O único curso do Brasil que forma professores de português para estrangeiros. Se souberem de alguém querendo aulas... rs Então, os dias têm me atropelado e as semanas passado voando. Com inúmeras atividades da UnB para dar conta + meus 9 alunos particulares + a escola + a vida pessoal e as necessidades de ser mulher (oi? Fiquei quase duas semanas sem fazer as unhas. Lixava aqui só para dar uma disfarçada... ninguém merece, né? rs). Para terem uma noção, alguém consegue traduzir isso aqui? [ganha um prêmio quem conseguir. hahaha.. Leio a carta para a host family e dou dicas!! hahaha...]

"- Aquila uolat alte. Rana aquilam notat et maesta coaxat quia alas ualde desiderat.
  Musca spectat ranam aquilaque etiam. Stulta rana muscam non spectat, solum aquilae alas. Musca auolat. Callida aquila ranam surã captat. 
   "Stulta rana", musca ait, "alas desideras sed uitam pessundas. Aquila non captat muscas... sed ranas."   

---> Super vale para a vida de au pair! E sim, o Latim tem me mantido muito ocupada! =D Como a página que temos no Facebook é fácil de acessar do cel, estou mais por lá. Porém, sempre entro aqui e vejo se vocês me deixaram algum comentário/recado. Aqui estão as respostas... rs... pois ninguém deixou e-mail para retorno... rs

Camila Barros: pois é, menina! Escrevi aquele post sobre diferenças culturais porque estava cansada de ler que "os EUA isso", "os americanos aquilo", sabe? Poxa, é um intercâmbio.. intercâmbio... o nome já diz tudo. E, amiga, gostei do que você queria saber sobre perguntar no primeiro contato e a verdade é que não há uma lei, sabe? O que perguntar ou não. Mas acredito que você saberá pelo tom da conversa. :) Se se sentir confortável, pergunta logo. Boa sorte ai!

Jeff: ôôô, que fera!! Toda sorte e parabéns por ter escrito sobre o diferencial com música. Achei super válido. 

Amanda: Claro, mulher! Sou psicóloga, manicure, BFF.. recebo altos e-mails no meio da madrugada com desabafos! E respondo tod@as na medida do possível... :) Pensa ai e me avisa!
Como tod@as sabem, minhas histórias de au pair são de 2006 e de 2007, mas elas não poderiam ser mais atuais. O tema de hoje MENTIRAS/ FALSIDADE tirei de um post que vi lá no grupo de au pair do Face. Vejam só: 6 anos depois... e a mesma coisa acontece. Explico: uma menina postou que "achou que tinha" uma amiga e contou um monte de coisas para ela. Especialmente porque havia ido para os EUA. Essa "amiga" foi e espalhou a história para uma 3 au pair. Pois bem, povo, desde que o mundo é mundo e o sol tá lá em cima, que devemos ter cuidado com as pessoas. 

Vocês verão que o programa de au pair nos deixa com o sentimento de "somos tod@as amigos" assim que chegamos nos EUA e encontramos um@ brasileir@. Pois temos muito em comum: nossa língua, país, trabalho... E saímos fazendo amizade com todo mundo que encontramos pela frente, brazuca ou não. Chamamos de amigo e logo convidamos para irem à casa dos hosts e ao nosso quarto, nosso lugar bem íntimo. Essa pessoa logo passa a ser "nossa confidente" e a saber demais da nossa vida. Trocamos mensagens como se estivéssemos no Brasil. E isso é perigoso. Não estou dizendo que todas as pessoas são perigosas, só estou dizendo que devemos ter cuidado. Ir devagar. Eu também quebrei a cara e conto para vocês.

Mas vamos dar um salto de quase 10 meses entre setembro de 2006 e agosto de 2007. Entre essa história e a anterior. Essa acontece quase 10 meses depois. Vamos lá...

Agora já não estou mais em NJ, estou na CA e tenho um pequeno grupo de amigos. Certo dia, eu estava no mercado e, na fila do caixa, conheci uma garota brazuca gente-boa que morava lá há 4 anos. E ela me convidou para sair e chamou as outras meninas. Saímos UMA vez. Na segunda vez, chamei todas para irem à minha casa e chamei meu pequeno grupo de 4 amigos- dois meninos da Alemanha e a BFF brazuca- e bom, imaginem ai o alvoroço, ferveção, terror e pânico de 2 homens no meio de um bando de mulher. Imagina. Imagina também que um deles estava "de paquera comigo". Ele era a minha sombra, estávamos sempre juntos. E imagina que uma das meninas já foi logo perguntando se havia algo entre nós... e eu, toda tímida, respondia "não, não... somos só amigos". Sei lá, né? Segunda vez que via a guria e ela queria saber da minha vida pessoal... fiquei na boa, calada. Todo mundo foi embora lá de casa (eram umas 15 pessoas no total) e eu fui dormir. Uns dois dias depois, eu fiquei gripada e não pude sair com todo mundo novamente. Lóóógico que a guria, vamos chamá-la de Y, aproveitou para ficar "super amiga" do meu paquera. Nesse meio tempo, a minha BFF que fazia parte dos meus 4 amigos inicialmente, falou para a Y se afastar. Falou para a Y que havia mais que amizade, só que eu era tímida e não "sabia". Essa BFF, ainda é BFF até hoje, me defendeu muito sem eu saber. Mas e dai, né? Quando alguém quer alguma coisa, muitas vezes atropela quem está à frente. E foi isso que a Y fez. Se aproximou dele quando eu não estava lá. Pegou o tel dele dizendo que precisava de amigos. E falou para ele, uma semana depois, que eu estava "de boa" com a ideia deles saindo sozinhos para jantar. Oi? Eu nem sabia de nada. E ele foi, coitado. Sem entender porque eu faria isso com ele. Depois disso, foi tudo pelo ralo. Eu me lembro de me afastar de todos, decepcionada e com raiva. Sem entender nada. Só soube que a Y falou que eu havia dado "permissão" para a saída deles, semanas depois, quando a BFF conversou com ele sozinha e perguntou o que estava acontecendo. E ele respondeu que a Y disse que eu havia dito que não sentia nada por ele, que éramos só amigos. [bom, não era mentira. Foi isso mesmo que eu disse, que era amizade. Mas a BFF disse a verdade para a Y e a verdade deveria ter sido suficiente para ela se afastar.] Ele disse que não sabia mesmo do que estava acontecendo. Se sentiu mal.. pediu desculpas... mas ai já era tarde. Eu já tinha me afastado. 

Sabe o que foi pior nisso tudo? Não foi eles terem saído. Não foi ter dado certo para eles. Foi ela ter agido pelas minhas costas o tempo todo. Me leva a pensar o quão más as pessoas podem ser, mesmo que na cabeça delas não pareça. Ruim também é não saber de tudo que "se passa" nas nossas costas e você não ter a chance de stand up for yourself e se defender. De dizer o que pensa. E de falar "ei, essa não sou eu! Vocês me pintaram assim", mas esse direito nos é negado e calamos. Em várias e diversas situações na vida. Acho que a maior lição que aprendi foi: bons amigos irão te perguntar se é verdade isso ou aquilo. E, em caso de dúvida, vão te defender para só depois lavar a roupa suja com você. E, por favor, em caso de dúvida, quebre o vidro e grite. Hahaha... brinks! Fale logo tudo que pense. Defenda-se. Melhor se arrepender do dito do que do não dito, sabe? Depois, a gente se acalma e pede desculpas, se foi muito "pesado". Mas abaixar a cabeça é coisa que não faço mais. Respondam por vocês, ainda mais lá fora. E se protejam. Não levem a pessoa para a casa de vocês de cara. Esperem. Vejam como ela é. Conversem sobre temas polêmicos também. Vejam como ela reage. E só então chamem de amigos. Acho que por hoje é isso... depois continuo com o outro post: como foi a ida ao parque com os meninos. :)

Exemplo do que é amizade, meus fofinhos. hahahaha

Beijos e mais beijos [Wellen (que tá com o papai doente. Melhoras aí!), Jéssica (que acabou de chegar na casa da HF), Pati, Nayara, Cib, Carols, Lay, Lya, Annanda, Cláudia Leu, Inara, Carina, Cris, Dai, Camila Reis, Jeff, Amanda, Júlia, Bruna, Kamyla, Camila, Marthinha, Carla, Valéria... esqueci alguém? rsrsrs... eu sei, eu sei... São muitas menin@s! Me perdoem... rsrsrsrs e obrigada pela participação na página...] 

11/04/2012

A cont. do 1st Night Out + confusões

Pois é, meninas! Falo mesmo que tenho andado com muito trabalho, muito mesmo... mas que o pior foi ter "ficado adoentada" uns dias. Putz, todos os meus blogs e páginas ficaram atrasados. Sorry! 

Assim, volto logo revolucionando... Volto para contar o que aconteceu depois daquela balada e que envolveu a maior troca de e-mails e negociações da história. Rsrsrsrs... Então, todo mundo leu o outro post, né? A galera me deixou em casa, o M. não voltou e o C. fez cara de "putz! Logo com ele?"... então eu entrei e óbvio, fui dormir. No outro dia, havia um email do M. para mim. Ele dizia que toda aquela galera estava marcando um cinema e perguntou se eu queria ir. Eu disse que dependeria do dia e horário, pois eu ainda não tinha o carro todos os dias. E ele foi arrumando um jeito "eu te busco", "a gente vai quando você tiver off" e tal. Dai eu topei e ele foi me buscar. Não lembro bem que dia, mas foi durante a semana e a host-sister já estava em casa. Ela me deu umas dicas na hora que eu estava me arrumando, disse que qualquer coisa eu poderia ligar para casa e subiu. Eu fui lá para fora e fiquei esperando. Ele chegou bem na hora marcada, SOZINHO. A tonta aqui faz a primeira pergunta:"Where is everybody?". [hahahaha risos fortes lembrando da minha cara de pânico...] Ai ele me responde:"They canceled." Eu:"All of them?". Ele:"yeah". Hahahaha minha cara de pastel. Como faz? Vai, né?! Fui!! Chegamos no cinema e foi estranho. Eu nunca me sinto à vontade com essas coisas armadas, pressionadas. Eu sou tímida para caramba e comigo é melhor se chegar devagar (no início). Mostrar-se amigo e não forçar uma situação em que EU SÓ QUERIA CORRER!! Entramos, sentamos e o filme começou. Que droga de filme! Robin Williams me deu sono 72X. Tinha gente dormindo no cinema. Sérião! E eu já não estava mais tão preocupada com a pressão, pois "meu amigo" ali não fazia absolutamente nada. Não chegava mais perto, não segurava na minha mão, nada! Eu pensei UFA, né? Não, ele não era feio, não. De jeito nenhum. Eu só não estava confortável com a situação. Segurar a pipoca foi o mais engraçado... hahaha.. quando a minha mão estava no pote, a dele não estava e assim ia. O filme acabou e ele me levou de volta. E eu pensando "no Brasil, isso seria 99% derrota, né?". Sei lá... cinema é ruim para tentar conhecer alguém pela primeira vez. Ninguém pode falar e só sobra o caminho de casa para que poucas palavras sejam trocadas. No nosso caso quase nenhuma. Ele só me falava o quanto havia crescido e saído com todas as meninas da minha rua [oi? como assim, produção?! Ele tá pagando de Brad Pitt... hahaha]  E como nenhuma delas tinha escapado. "Massa, hein?!, pensei!" Ok. Cheguei em casa, me despedi e ele disse que mandaria um e-mail. No outro dia, havia sim, um email. Mas não era dele. Era do irmão, o C. E eu li toda pensando "que fera. Ele deve pedir desculpas por não ter ido ontem e tal". Só que não. O e-mail dele também era um convite para irmos a um parque lá perto. Fiquei sem saber o que responder. Mas disse "ok. Vamos, né?". Só que tudo que aconteceu lá é para outro post. Ou esse vai ficar gigante, pois essa história aqui acontece entre July & Oct./06. Volto aqui essa semana e continuo a novela mexicana aqui. Minha dica: se você não se sente confortável, como eu não me senti, corra para as colinas nessa situação. Leva alguém. Ahhhh é. Eu aprendi tão bem que combinei com uma amiga que em situações futuras eu ligaria para ela e ela para mim e iríamos nos ajudar. Sim, sempre deixe uma amiga sabendo onde e com quem você está e, caso você precise, ela te ajude. Eu tive sorte. E se fosse um "doidinho"??


Você, menina, será mais esperta do que eu!!

Uma oração bem forte para todas as meninas que estão nas regiões atingidas pela Sandy: Martinha, Dani, Leo... e para as minhas famílias e amigos que moram lá. Que vocês consigam sair dessa bem rápido e que Deus dê forças para superar os próximos dias.

E para as meninas que passam aqui [Wellen, AnaS, CarolS, Kamyla, CamilaS, Celis, Lais, JéssicaS, Stéphani, Cláudia, Manu, Line, Rox, Aline, Bruna, Dai, Valéria, Júlia, Bru e todas as outras] e que tem participado sempre lá na página interativa do FB. Estou adorando poder conversar mais um vocês. Um beijo e muito obrigada! ;)

10/22/2012

Ficando Doente...

Eu juuuuro que ia postar a continuação do último post-com todos os babados- mas fiquei doentinha. Sim, minha coluna não tá feliz com o esforço que fiz no sábado. #TodasChora! Assim, vou ficar no tema e dizer como foi quando fiquei doente nos EUA. Como tudo, teve seu lado positivo e seu lado negativo.

# A primeira vez: peguei uma gripe/virose ridícula e vomitei os bofes a noite toda. Na manhã seguinte, a hosta do 1 ano, mandou eu voltar para cama e mandou as kids para a casa da vó. Não descontou nada do meu pagamento (ufa!), ainda fez comida, me entregou e VAZOU rápido e certo, pois ela tinha medo de que fosse contagioso... Rs... Chá, cama, sopa e banho quente me trouxeram de volta à vida.. hahaha. Assim, não tive gastos nem com remédios e nem com médicos.

#2 vez: machuquei um músculo nas costas durante o inverno (dor! dor!). Sou dessas que tenta de tudo antes de precisar passar 2h na fila da emergência. Bom, eu já tinha tentado tudo, quando sai 23h de casa, em NJ, e fui ao hospital. Sozinha! Como me atenderam? Muito bem. Perguntei na recepção se eles aceitavam o seguro da CC e eles falaram que sim. Assinei uns papéis, mostrei a carteirinha e entrei. Consultei o médico com uma enfermeira presente e fiz uns exames. Deu tudo certo. Só era o músculo mesmo. Me deram remédios e me mandaram para casa. 1 mês depois chegou uma continha lá em casa e eu não fazia ideia do que fazer. Então resolvi pelo mais simples e sensato. Escrevi em um pedaço de papel "I have no idea how to get in touch with my insurance company. Could you please take care of this bill for me?" algo por ai. Assinei e mandei junto com a cópia do contrato do seguro, da carteirinha e do meu endereço lá. Foi lindo. O hospital resolveu com o seguro. Não tive problemas. E a minha host comprou o relaxante muscular que foi baratinho. Dai eu perguntei se ele queria que eu fosse falar com o seguro  para o reembolso e ela disse que não. Que seria muita dor de cabeça. Ficou por isso.

2 ano! Califórnia. New family.

#3 vez: cheguei lá doente. Desembarquei com dor de cabeça e de ouvido... sinusite e alergias ao novo clima californiano. 1 dia na casa. Expliquei para a host nova que eram só "fall alergies" e ela me dá um comprimido (lindo e que carrego até hoje). Chega o hosto em casa e me "mata de vergonha". Era o último comprimido DELE e ele também estava doente e precisando. Conclusão: a pessoa aqui, doente, pede para a au pair que ainda estava lá, levá-la à farmácia umas 21h. Comprei 3 caixas. Entreguei. Não lembro de ter ouvido "thank you", mas pedi desculpas. Afinal, eu errei muitão. 

#4 vez: a pessoa aqui sofreu um mega ultra power acidente de carro e fraturou a coluna. [Não vou entrar em detalhes, pois já escrevi sobre isso várias vezes.. É só olhar aqui...] Se não fosse o seguro COMPLETÍSSIMO, eu estaria muito enrolada até hoje. Só o "passeio" na ambulância foi um absurdo. Enfim, assinei os papéis de entrada no hospital, dormi lá e fui embora no outro dia. Um dia internada = muitas contas. Só raio-X (CAT scam) da coluna e da cabeça foram uns 4 e cada um na faixa de uns 600 dólares. Bom, recebia as contas em casa e enviava para o seguro, como havia feito antes. Funcionou. Os gastos com remédios os hosts cobriram, mas paguei logo em seguida. Para os remédios não busquei o seguro não. Eu estava muito cansada e precisando de paz. Nesse período complicado, eu trabalhei porque sou teimosa. Mas podia, disse meu ortopedista aqui do Brasil, ter me "acabado" ainda mais. Eu precisava de repouso absoluto, mas não o tirei. Acordava e ia fazer as coisas como se nada tivesse acontecendo. Tudo para não ver "o circo pegar fogo". Trabalhava lentamente, mas todas as horas e recebi por elas. Conclusão: 3 meses de colete, 6 de fisioterapia e uma inesperada volta ao Brasil. [Planejava ficar o 3 ano por lá].



O meu ponto em ficar doente é que na gripe: eles podem ou não te afastar das kids. Depende se há mais alguém para ajudar em casa. Dor de garganta: pode dar gelado para as kids, elas ficam em casa (sofá+algo leve). Se for você: tome remédio, tome gelado e leve o dia. Nunca vi ninguém parar por dor de garganta. Rsrsrs. Febre/vômito: seja forte e toque o dia. Se acontecer com as kids, certamente ficarão em casa. Rsrsrs. Em fraturas, você precisará de repouso, sim. Então, provavelmente pode ser substituída. O que você pode fazer é um acordo com a fam. Conversar... Será que eles podem arrumar alguém para ficar no teu lugar durante a recuperação e descontar do teu salário? Algo por ai... Doenças contagiosas: longe das kids, please! E seja "big girl". Lave lençóis, faça a sua comida com higiene e cuide da limpeza do local onde você está (quarto e banheiro). Ahhhh.. nos EUA, piolho é quase doença contagiosa. Fica-se em casa. Ninguém vai para escola. Existem vários tratamentos. Primeiro, amarre o seu cabelo (isso, linda!), depois, fale com a hosta. Você pode dar remédios para os kiddos, lavar a cabeça deles com shampoo para isso e trocar a roupa de cama dos quartos. Ou seguir as instruções que a host te der. Qualquer uma das opções acima é motivo para a kid ficar em casa. E você, au pair linda, faça de tudo para não ficar doente. Nós somos de aço. Não podemos nos dar ao luxo de ficar de cama. Sendo você ou as kids, seja ESPERTA. Deixe tudo que vai precisar sempre perto. Exemplo: kid pequena tá vomitando? Baldinho, pano, desinfetante e pedaços de maçã (ajuda a tirar o gosto da boca da kid). E fica de olho na alimentação dela. Para um sucesso maior: converse tudo isso assim que chegar lá com a host. Veja logo onde fica o hospital mais próximo, quais remédios podem ser dados e as quantidades, tipos sanguíneos e telefones de emergência. Deixe tudo anotado na porta da geladeira e tenha o que precisa em mãos. 

Gente, é isso. Desculpem a falta de inspiração para escrever a continuação hoje. De verdade. Mas estou "ruim" desde quinta. Ahhh maior novidade: temos uma página interativa no Face Book desde hoje de manhã. UhúúúúLL !! Se jogem! Espero vocês lá para os games e pesquisas. 

10/14/2012

A #1 Balada a Gente Nunca Esquece!

Ahhhhh... a glamurosa vida de au pair!!    Você trabalha das horas-que-seus-hosts-pedem  até a-hora-em-que-te-liberam e nem um minuto a mais!  Terminando o dia coberta em melecas, massinha, areia, comida e, se você tiver sorte, lágrimas. [sim, porque lágrimas são as mais fáceis de limpar da roupa... embora sejam as mais difíceis de lidar, logo após o "sangue", claro! hahaha] Daí, você toma aquele banho e, se é sexta-feira (ou if you feel like it), troca de roupa e toma o rumo da rua. De preferência, o rumo de uma rua sem crianças! Você quer paz e você quer tranquilidade. Em seus meros 18 anos, nunca trabalhou TANTO na vida. Pega a carteira de motorista do estado em que você mora nos EUA, sobe no salto, passa aquela make up e FONNNNNNNNNNNN.... fica barrada na porta do bar/club porque esqueceu que a maioridade nos EUA é com 21. Sim, linda! Não tem choro, nem carteirada e nem "piscadinha" para te tirar dessa (unless, meios ilegais... mas eu não arriscaria o programa por isso...). Eu só participei de "uma night dessas" depois que fiz 21 anos! So read on para ver como foi a minha primeira NIGHT OUT! 

Bem, eu cheguei na casa dos hosts com 20 anos... faltavam menos de 30 dias para o meu aniversário de 21 e tudo que eu ouvia era: "assim que você fizer 21, vamos te levar para tomar uns drinks". Sendo a minha host poucos anos mais velha do que eu, ela tornou-se minha hostsister (apelido que eu ainda uso!) e realmente cumpriu com o que prometeu, uns dois meses depois do meu aniversário.. hahaha... então, em uma noite de junho (meu niver tinha sido em abril), a gente colocou um jeans + camiseta e atravessou a rua para o único bar da minha "vila". 

Roupas: em NJ, na vila que eu morava e em muito lugares mais tranquilinhos, jeans + camiseta + flip-flops são o visual na medida. Muitas pessoas saem do trabalho direto para o barzinho e usam "qualquer coisa"... super tranquilo. Em San Francisco também era assim. Nunca tive que fazer uma SUPER PRODUÇÃO que nem no Brasil... trocava os flip-flops por um saltinho e estava pronta... Já em NYC, a galera sai para a night mais arrumadinha. Ou seja: varia de lugar para lugar. Sugestão: observe quem vai com você ou pergunte aos hosts. Evite roupas muito curtas (who cares que eles se vistam assim? Você estará saindo da sua casa, seus hosts irão te ver...) e "sugestivas" (não estou sendo machista aqui, hein!? Só pedindo para vocês usarem o bom senso...). 

Chegamos ao bar e eu nem precisei mostrar a carteira de NJ (quando você não tem a carteira ainda, tem que mostrar o passaporte), pois a minha host conhecia todo mundo lá. Afinal, era do outro lado do rua. Tinham muitos jovens por lá (leia: pessoas de 23/25 anos), pois eram férias de verão e havia um college subindo a rua... Havia uma sala menor com um bar no centro dela, quase uma ilha. Com luzes reduzidas e discos enfeitando as paredes. Um parede pequena, com janelinhas de vidro, que dava para outra sala maior onde havia uma banda tocando (que não lembro o nome), mesas de sinuca, banquinhos e uma área lá fora, como um pátio. A minha host e a amiga dela sentaram no bar. Me perguntaram se eu queria beber uma cerveja também e eu respondi que não. Eu não gosto de cerveja. Fui logo me distraindo com a música (eu amo dançar) e fiquei em pé ao lado do palco observando a galera: a roupa, os cabelos, maquiagem, jeito de dançar, sapatos... e foi ai que eu vi: um celular no chão. Eu corri e peguei antes que ele fosse pisoteado. Fiquei por ali, com ele na mão, procurando o dono. Sabia que logo alguém iria aparecer. Alguns minutos depois, o vocalista-que-era-lindo perguntou se alguém havia achado o celular e eu levantei a mão. Ele veio ao meu encontro (morri 20X) e se apresentou. Eu disse meu nome, idade, nacionalidade e telefone. #Só que não! BRINKS! hahaha.. Disse meu nome e mais rápido que um raio, alguém ficou entre nós dois: a namorada dele, claro! Depois que ela deu um beijo demorado nele do estilo: entenda-que-ele-é-meu, ela se apresentou e foi até simpática. Não lembro o nome deles. Ela me pegou pela mão e me levou pro pátio e me apresentou para os amigos deles. O pátio era redondo, de madeira e tinha bancos de bambu. Era a céu aberto e podíamos ver as estrelas e as árvores no fundo do terreno. Ali estava uma galera super animada no estilo americano de ser: maluquinhos. hahaha... achei outros mais interessantes que o vocalista, mas eu estava mais preocupada com entender o que diziam, do que fazer qualquer outra coisa, como paquerar, por exemplo. Mas, sem esforço nenhum, eles se aproximavam para falar comigo... todos eles... as meninas me faziam perguntas sobre moda e se eu estava gostando de NJ. Os meninos perguntavam sobre o Brasil e me ofereciam cerveja [QUE EU NÃO BEBO]... Acabei indo ao bar buscar coquetel sem álcool (que eles não sabiam que não tinha álcool), só para poder parar de dizer "não" na cara dos meninos! Estava ficando "chata", né?

A banda voltou a tocar, a gente dançou, a minha host foi embora com a amiga e nem me avisou, deixou só uma mensagem com a galera do bar: "Tell her the door will be open and that she knows where her home is". Ri alto. Ok. Hora de me virar... voltar a pé e sozinha... já eram umas 2am e o bar estava ficando vazio. Os meninos começaram a se organizar e decidir quem ia deixar quem em casa. Quem bebeu não ia dirigir mesmo. Um dos meninos, para vocês terem noção, não bebeu nada e fez 4 viagens pelas ruas ali de perto para deixar os amigos. E nisso foi chegando a minha vez de dizer onde moro, de falar se precisava ou não de carona. Esse menino que fez 4 viagens, já estava ao meu lado conversando, quando precisou fazer mais uma viagem e me falou para esperar por ele, que ele me "andaria até em casa" (ou seja, me atravessaria a rua... hahaha). Eu falei OK, ele pediu meu e-mail e saiu. Gente boa. Bonitinho. A gente conversou muito durante a noite. E 2min depois vejo ele voltando, ou o que eu achei que seria ele. Era idêntico. Um carinha muito parecido com ele também veio perguntar se podia me levar em casa. Eu sou péssima fisionomista. Às vezes nem lembro da minha própria cara. Como eu ia saber se era o mesmo menino? Observei e vi que a voz era diferente, mas eram muito parecidos. Esse outro, perguntou o que eu estava fazendo ali, esperando... e eu expliquei. O nome desse era C. o do outro M. e eles eram irmãos, foi o que o C. me contou com tristeza no olhar. Nunca vou esquecer o olhar que ele me deu, quando disse o nome do menino que eu estava esperando. Imediatamente, ele parou com "a conversa de paquerinha" e juntou a galera toda que ainda estava por ali, pelo estacionamento. Eram umas 15 pessoas e TODOS foram me "caminhar até em casa". No caminho (nos 3min de caminhada), o C. ficava perguntando: "-so you've met my brother! Fun!" Falando em brother, o irmão dele nunca voltou. Ainda bem que os outros me fizeram companhia. [Ahhh, todos os ocorridos dessa noite, eu só entenderia nos 3 meses seguintes....Mas deixo isso para o próximo post.] 

Chegamos na frente da minha casa e fomos nos despedindo. As meninas prometendo marcar um cinema com todo mundo e os meninos prometendo "qualquer coisa estamos aqui". Trocamos e-mails e eu entrei. Não vi mais nenhum deles depois disso. Aliás, vi sim! Vi dois deles. Mas isso é assunto para o próximo post. 

Da minha primeira "night out" tirei três importantes lições: esteja bebendo qualquer coisa, para que as pessoas possam "chegar e conversar com você", sem que você precise ficar repetindo (e sendo chata) que odeia cerveja. Se não tiver celular, troque e-mails (é até mais seguro). Vista-se de maneira confortável, pois era assim que todos pareciam estar. 

Night Out na City

Bom, a night out nos perdidos de NJ foi boa, but I couldn't wait to see NYC's night life!! Aconteceu poucas semanas depois daquela. Eu conhecia muitas meninas em Princeton e eu ia para lá nos findis e dias off. Princeton é uma cidade "jovem" e cheia de vida: com bares, festas de rua e restaurantes animados. A minha amiga que morava lá, escolheu um lugar para irmos. Saímos de NJ por volta das 19h, de trem. Até NYC seriam mais uns 50min, fácil. Descemos na estação e pegamos um taxi para o lugar. O táxi nos deixou na rua, mas não na porta. Andamos até lá e, quando entramos, foi tipo WOW... O lugar era muito grande e diferente do que eu já tinha visto por aqui. Não sei se era a animação, a minha pouca idade ou só o fato de estar em uma balada em NYC, que me deixou meio boba. Hahaha. Na entrada havia uma chapelaria, depois, à esquerda, banheiros. Mais a frente, havia uma sala em estilo rústico, com coisas de madeira e couro, que tocava hip-hop e depois disso, uma "espécie de túnel", que piscava luzes prateadas. Depois dele, você estaria em uma sala gigantesca de tocava música eletrônica. Havia um bar à direita, enorme também. Hoje, acho que acharia tudo mais "normal". Dançamos muito, muito "tuchi-tuchi". Encontramos uma amiga au pair de blog (sabem as meninas que visitam nosso blog, deixam recadinhos e viram amigas?). Na verdade, ela nos achou. Nunca tínhamos encontrado com ela, a Naninha (Ariana, de SP). Tiramos fotos e conversamos (tem um tempão que não falo com ela). Dançamos mais!! Por volta de 1am, as luzes apagaram e o palco se iluminou. Vários dançarinos apareceram fazendo "coisas diferentes" e, do nada, iam perdendo peças de roupa! Hum... interessante. E foi ficando mais!! hahaha... assistimos o show, dançamos mais, conhecemos uns carinhas (que, putz, também não vou lembrar nomes) e saímos de lá exaustas. Pegamos um táxi, depois um trem, depois o carro e voltamos para a casa dessa minha amiga. Foi inesquecível. Hoje, *acho* que não me animaria para nada igual... rs! E nós voltamos lá. Mas isso também é assunto para outro post.


Acho que o nome de lá era CROBAR. Olhem a cara do "boy magia" para mim! hahaha

Essa balada em NYC me mostrou duas coisas: sempre tenha money extra com você (sei lá, né?) e um plano B (se tivéssemos demorado muito na fila ou não tivéssemos entrado, para onde iríamos?). Me apaixonei por NYC quando estive lá para primeira vez, mas não foram as baladas que me deixaram apaixonada. Pelo contrário. Baladas são legais, mas em NYC é o conjunto que faz a diferença: baladas, exposições, plays, games, concerts, pessoas e ahhh o cheiro de cachorro-quente das streets... :) Mas isso também é assunto para outro post.

Um beijo para todos e todas! Boa sorte!! O post ficou muito grande e, da próxima vez, coloco os nome aqui novamente, ok? 

10/03/2012

Skype: terror e pânico!

Então é isso que você pensa do Skype?? Acertooooouuuu... Skype É só terror e pânico!! Tô brincando, auperada!! Hahahaha... Queria ver a cara de cada uma de vocês agora! 

Vamos começar do começo, né? Como você marca um Skype com a família: simples! Pergunta: Hey, can we Skype one of these days? Ou seja mais específica: Can we skype tonight? (hoje à noite). Sim, gatas lhyndas, the word Skype can be used as a verb, too. You can say "Let's Skype"! Tendo dito isso, e tendo ela (a host family) respondido "sim", marque o dia: ON Monday, ON Tuesday etc. Sim, ON é a preposição antes do dia da semana. E por fim, marque a hora AT 7pm, por exemplo. Eles não usam "19h" como a gente. Ou melhor, até usam, mas chamam military time e nem todo mundo entende. Assim: use os números mesmo e coloque am (até 11:59) e dps disso é pm (até 23:59). Considere também, conversar com eles pelo Gtalk (trava bem menos) ou pelo FB (mas esse é tenso, pois os hosts terão acesso às suas fotos e tal, né? #reflita!). Tudo marcado? Hora de esperar!

Futura au pair que é esperta, vai escolher uma roupa discreta e arrumadinha para o primeiro Skype, correto? Vai limpar o ambiente em que o computador está (nada de mostrar a zona que é teu quarto logo no primeiro Skype, né? Oi?) ou as latas de cerveja na mesa de centro da sala. E vai ainda pedir as pessoas que moram com você para te darem um pouco de privacidade. Ou seja: chute-as de lá... hahaha... Mas Tarci, moro com a minha vó e ela não tem outro lugar para ir. Ok! Então baixe o volume da TV pelo menos! Elimine o máximo de ruídos que puder. Feche até as janelas, se você morar em uma rua muito barulhenta. 

Esteja lhynda esperando a ligação no horário marcado. Lembre-se: au pair é também um trabalho e essa será uma "entrevista de emprego", sim?! Então você espera um pouquinho a family aparecer e dá um tempinho para vê se eles ligam para você. Espera uns 5min, se eles não ligarem, você liga. Tem family que não sabe usar o Skype mesmo e fica esperando a au pair fazer a ligação.

Durante a conversa: anote TUDO que você quer perguntar em uma folha de papel. Perguntou, risque a pergunta. Faça anotações. Mas não enlouqueça!! Nada de fazer 32 mil perguntas ao mesmo tempo, né? Oi? Conte algo, escute algo e no meio, MISTURADO, faça as perguntas. Seja objetiva e direta. Eles vão gostar disso. Ex.:
-How is the city you live in? Is it a big city? 
-Will I have a car for my personal use? How far can I go? (na CA, eu podia dirigir até 2h para cada direção. Não mais que isso. Em NJ meu carro era liberado. Por sinal, viajei com ele baldes... viagens de até 5h driving.]
-How about weekends? Will I have to work? And during the week, how would my schedule be like?
-Are there colleges near your house?
-Can you send me pictures of the au pair room, please?
[e todas as outras perguntas que você considerar importantes!!]
Perguntas simples e diretas te darão uma noção do "tema" da conversa, do contexto, e você terá mais noção do que eles estão falando. 
-Seja espontânea: mostre fotos, seu gato, fale de você, do Brasil e, PRINCIPALMENTE, da sua experiência com kids. 
-Seja honesta: não entendeu? Diga: can you repeat, please?! Ainda não entendeu? Pede para ela: can you show me a picture of it? Entra no Google e mostra em português mesmo. 
Outra dica: deixar um dicionário online aberto em uma janela já no pc. Deu branco? Olha lá. SE VIRA! Você não é quadrada!
-Seja amável: apresente a sua familia ao final do Skype e pergunte mais sobre a deles.

A hora do terror e do pânico: a hora de falar com as kids! Hahahaha... Sim, é muito "complicado" entendê-las. Especialmente os under 3, mas você consegue. Lembre-se de que é uma kid. Pergunte coisas básicas, soltas e diretas:
-How old are you? Can you show me with your fingers? 
-What's your favorite toy? Can I see it? Go get it! 
-What's you favorite movie? Do you like this one? [e mostra algum que você tenha ai...] 
O importante é continuar interagindo com eles. 
-Do you know how to count? Can you count to 10? Can you show me?
-Look: my nails are red. Do you like to have your nails done? [E mostra esmaltes...]
Sim, tenha coisas próximas ao computador no dia do Skype e seja criativa. Tudo que eu perguntei ai em cima é YES and NO na resposta... tirando os números... e a kid pode ficar tímida. Então, vai sempre falando: I loved you hair, nice smile.. e quando eles fizerem algo que você pediu, diga: how nice! Cool! Thanks for showing! E se ainda assim ficar dificil entender, pede para a mãe traduzir: The calling was breaking. What did she/he say?! [sim, culpa a ligação, né? hahahaha... brinks... pode dizer que não entendeu também.]
E se as kids são mais velhas? Fácil... pergunte de músicas que estão tocando lá. 
-Do you like OppanGangMan Style? Do you know how to dance it?
-Do you play sports? Do you like soccer? Do you know any players from Brazil?
-Do you know where Brazil is? [e mostra no mapa!]
-Did you watch this movie? [tenha o DVD do teu lado ou o nome em inglês separado]
E termine com: I think we can be good friends. What do you say? We can play soccer together, etc.

Finalizando: chame a mãe novamente. Diga do que gostou e tire as últimas dúvidas ou simplesmente diga "have a good night" e desligue! Ou marque outro Skype com eles. É com você! Depois que terminar, volte aqui e nos conte como foi! hahaha... 


Let's make silly faces! 


Silly faces, please!! 
Na minha época não tinha Skype e só falei com a minha fam 1x por tel. Sim, fui louca mas dei sorte. Por isso, hoje "mostro" os caminhos mais seguros para quem ainda está embarcando. Espero que este post tenha ajudado. Antes de ir:

-Welcome: Anas! As duas Anas da comunidade CC que me add aqui assim que eu disse que já tinha ido e voltado! Toda sorte e paciência do mundo nessa longa caminhada.

-Beijo super especial para as meninas que ficam me dando a maior força para continuar escrevendo: Daniela Souza e Pâmela
AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHH... esse blog éé realmente INCRÍVEELL!!! Que gostoso você trazer um pouquinho de cada costa pra nós!! Obrigada pela sua dedicação em compartilhar isso tuudo, você NÃO PODE parar de escrever, JAMAIS ;D beeeeeeeijos [Daniela Souza] 

-Beijo ainda para as meninas que passam a semana falando comigo ou que só me deixam um Oizinho inbox mesmo. Poxa, obrigada por sempre lembrarem de mim: Wellem, Michelle (e Michael), Deise, Carol 1 e Carol 2, Martha, Lais F., Thomas, Lucas, Andressa, Carina, Kamyla, Renata, Aline, Valéria, Victória M., Lenise e Jéssica e todas as outras meninas legais! 

-Beijo especial para mim: amanhã é a minha última aula da 1 graduação!! UhúúúLLL!! Vou me formar!! hahaha.. finalmente! Dai só falta terminar Letras Inglês, pois em Letras- Português do Brasil como Segunda Língua já estou habilitada.

 Amo amo amo escrever.

9/26/2012

NYC ou CA (East Coast or West Coast)? Is that your question? Well, not anymore.

Esse é um post para aquelas meninas que estão podendo escolher entre ir para a costa leste (East Coast) ou a oeste (West Coast). Caso você não saiba se direcionar, EsC é NYC e WesC é a Califórnia... :)    Bom, só para quem está podendo escolher mesmo, pois família que é bom, tá em falta!! rsrsrsrs.. Brinks! Já já vocês poderão gritar I HAVE A MATCH e voltar por aqui para me contar... rs

Então, vamos lá. Seu sonho é a Califórnia? Aqui estão algumas informações que você precisa saber:

** É uma região atingida por terremotos. Ui! Scary! Peguei 2 quando morei lá e não é nada divertido, mas é bonito ver o chão "levantando em onda" e as paredes tremendo. A parte ruim são as kids gritando e acordando as outras kids que não se assustaram... haha

** É uma região muito cara. O preço do crédito para international student, na minha época, era U$ 200. Assim, eu precisei vender as minhas férias e vááários domingos para conseguir cursar 12 créditos, mas super valeu a pena.

** É a área onde estão colleges/Universities famosos como: a UC Berkley (casa de muitos brasileiros. Até Érico Veríssimo já deu aulas por lá), UC San Francisco, Stanford, UC Santa Cruz (que tem um programa de Biologia Marinha muito legal) e tem muitas muitas bibliotecas legais... 

** É um JUMP para o Caribe! :) E nem fica tão longe da Disney, pois existe uma, a DisneyLand, em LA. Aliás, vários parques em LA, assim como Hollywood. [Imaginem visitar os cenários de vááárias séries e filmes legais! Imaginaram? Pois é! Eu também, pois nunca fui à LA. Long story...] Fica a outro JUMP (ou umas poucas horas de car/bus) de Las Vegas, do México e de Washington State (up North). O local onde filmaram Crepúsculo. Não? Nem eu! Não sou tão fã de Crepúsculo assim, mas o lugar é lindíssimo.. especialmente a floresta beirando o mar... Vale a visita, né? Falando em Vegas, pfv menores de idade, considerem repensar a viagem para Vegas, pois só com 21 para entrar nos bares/cassinos! :) Mas se você não é da night mesmo e quer ir apenas conhecer, se joga, manolo! 

** Falando em vida noturna: em San Chico, bares e clubs fecham às 2am. Depois disso, só iHop (hahaha.. adorava) e os lugares top secrets com special parties! ;)  Desses em galpões e ruas sem saída... [imagine Velosos e Furiosos! ... Pare de imaginar! Não tem os carros e é um pouco "tenso" se a polícia aparecer... Faça uma escolha consciente! Rsrsrs..]

** Tem um clima mais parecido com o Brasil. Você não vai se sentir tão longe de casa assim. E ainda tem neve, se você viajar para Lake Tahoe (um lake em uma montanha) e redondezas. 

** A vida parece que passa mais devagar... Mas não se iluda, você vai trabalhar baldes! Praia? Só quando der. Aproveite e visite Point Reys (na CA) e a Praia do Elefante. O hostel dentro da reserva é simples e muito tranquilinho. Recomendo! :) Na época certa, que eu não lembro qual é, dá para ficar na encostas dos morros por lá, observando as baleias. Coisa que eu não fiz, pois fui em abril e estava frio demais até para as baleias! 

** Você irá à Safeway, ao Trader Joe's E ao Peet's Coffee and Tea (típicos da Califa).

** Falando em praia... se você não for morar na parte sul da Califórnia, praia mesmo só para o bronze, pois a água na região norte é muito muito fria!! Égua! hahaha...Mas se você aguenta, manolo, se joga!

** Costumes e familias? São iguais ao da outra costas, exceto por uma observação: eles podem aproveitar parques e reservas por mais tempo durante o ano... Eles podem/gostam mais de estar em contato com a natureza, pois o weather permite. 


Angel's Island- CA


Já na costa leste, veremos:

** Bom, temos NYC e NYC e NYC com todas possibilidades e atrações... Acho que não preciso descrever muita coisa aqui, né? Imaginem show do The Blue Men Group, Broadway, jogos no MadisonSquare Garden e a possibilidade de visitar os locais onde foram gravadas várias séries... 

**Chicago. Never been there, mas ER era mágico! Assim, Chicago deve ser só amor!

** NYC é também uma "ponte" ou, melhor, Grand Central Station, para vááários estados ali por perto. Por exemplo, de NYC para Boston, de ching-ling bus são 4h de viagem (U$ 17). De NYC para Washington -DC são  mais 5 (na direção oposta). Lembrando que em Boston, vale a pena conhecer downtown e em DC, aff, nem tenho como enumerar as atrações aqui. É o paraiso para que curte museus e esportes. Detalhe: em DC, os museus são free. Vale a viagem downtown para ver a Casa Branca, a sede da Cruz Vermelha, FBI, Pentágono e todos os outros. Perto de PA também. PA é Pensilvânia, não é a terra do Drácula, não, viu?? Ali é a Transilvânia... hahahaha.. mas em PA existe o Hershey's Park e chocolate factory (vale a visita). NYC é um pulo para o Canadá também. 

** Na costa East, estudar é bem mais barato. Quando fiz college em NJ, paguei R$ 85 o crédito. Bem mais em conta, né? E é home de Princeton (fica em NJ), MIT e Harvard (ficam em Boston), Yale (CT), NYU (fica em NYC), entre outras. Sempre vale a visita. São lugares lindos. Amei Princeton! :)

** Praia na costa East? Só se for ali pelas bandas da Flórida (ou se você, caro leitor, curtir uma água mais "geladinha"...). É na Flórida também que encontramos a outra casa do Mickey (Disney World), os parques na Universal, BushGardens, Sea World e em que há the best parties for Spring Break (bom, vale curtir em qualquer lugar, né?) e as corridas de Daytona Beach. 

** A vida na região de NYC-MA-NJ-PA-DC pode ficar bem gelada no inverno, mas quem nunca sonhou com um Natal branquinho de neve? Assim, meninas que escolherem essa região levem em consideração que uns 4 meses do ano serão bem frios... vocês acordaram com vontade de dormir e dormirão mais cedo, pois escurece mais cedo também. Tomarão banho quente, mas não lavarão o cabelo todo dia e nem poderão sair com ele ensopado. É muito frio, manolo. Devem lembrar que kids, nesse época, precisam de mais atenção e cuidados na hora de sair de casa (agasalhos, luvas, gorro--é uma puta maratona! Reflita na laundry!) e que elas terão mais brincadeiras dentro de casa.

** Ahhh, o lado Leste também está mais apto a receber lindas tempestades. Especialmente ali pelo lado da Flórida e das meninas: Carolina do Sul e do Norte, Dakotas e Virginia. Mas, se a sua família tem basement e se suas kids têm conhecimento do que fazer, você estará salva. hahaha. Só que não!! No  meu primeiro furacão (em NJ), eu estava sozinha com 5 kids e alguém teve que vir me ajudar, pois eu tinha 2 de dois anos, uma de 3, uma de 6 e um de 9. Além das kids, eu tive que levar/carregar as mochilas com roupas extras, fraldas, mamadeiras e toda aquela novela. Assim, o uncle E. apareceu e me ajudou... todo mundo para a casa da vovó onde o basement era maior. Ficamos sentados na sala, com a porta aberta, acompanhando tudo pela tv. No final não aconteceu nada, além de árvores caídas. Ufa!

** Os costumes gerais são os mesmos da Califórnia, embora na Califórnia eles usem mais alimentos frescos na hora de cozinhar. Isso é bom! A alimentação na costa leste é, por isso, relativamente mais barata. Você irá ao ShopRite e à Dunkin' Donuts (Americans run on Donuts... hahahaha). 


Top of The Rock: NYC!!
Bom,  por hora é isso! Aqui estão algumas dicas e detalhes que talvez possam ajudar!  Se alguém tiver mais dica, pode deixar nos comentários que eu volto e edito isso aqui e ainda te dou os créditos, pessoa lhynda! 

Falando em comentários... Me emocionei com esse daqui: 

Tarciana, esse é o segundo post que lei de seu blog, e fico pasmada com a facilidade que tem de escrever belamente com palavras simples... esse post me emocionou e e como o post sobre "olha para o nosso proprio umbigo", me faz para e refletir sobre muitas coisas, principalmente aquelas que ainda que ainda estão por vir... parabens pelo blog, muito lindo e muito util. Bjs, Renata 

Poxa, muito obrigada! Vocês (e todas as outras pessoas que passam por aqui) me dão forças para continuar escrevendo. É uma coisa que eu amo e que me encanta, garimpar as palavras. Assim, muito obrigada: Renata, Pâmela, Scarlet, Celis, Valéria, Ana, Carol, Wellen, Helen e Thomás. Beijo enorme! E força nessa vida auperiana! Afinal, quer moleza? Então senta-num-pudim!